Sobre dois mil e dezanove.

Pertenço à grande maioria de pessoas que todos os anos fazem uma retrospectiva dos últimos 12 meses. Mas, este ano, dei por mim a fazer retrospectivas mensais, quando não semanais. Porque – embora comece a ser sistemático dizer isto todos os anos – este foi um ano muito doido. Continua a ser.

Poderia voltar a referir as mesmas palavras que escrevi à doze meses atrás (https://apaixoneimeportieagora.blogspot.com/2018/12/dois-mil-e-dezoito.html) porque fariam todo o sentido. A única diferença é que, ao contrário do que escrevi na altura, não, não estava preparada para este ano.

Pensei várias vezes na palavra que melhor descreveria este capítulo, e gratidão é, sem dúvida, a minha escolhida. Porquê? Porque sou grata por todas as pessoas que saíram da minha vida, pelas que apareceram , e principalmente, as que se mantiveram. Sou grata por me ter permitido colocar em primeiro lugar, por ter tido coragem suficiente para dizer não nas alturas certas, por aprender que nem sempre o amor é suficiente, e que merecemos mais do que ser uma opção na vida de alguém.

As adversidades da vida mostram-nos que podemos ser igual a uma fénix: por maior que seja a queda, por mais danos que a mesma nos possa causar, sempre é possível renascer, mais fortes, mais determinados, e com mais amor por nós mesmos.

Foi um ano emocionalmente catastrófico. Citando algo que li recentemente e para mim fez todo o sentido, “este ano foi uma montanha russa, e eu estava sem cinto“. No meio desta viagem atribulada, percebi que não podemos controlar tudo, que não devemos mendigar a atenção de ninguém, que não podemos confiar em qualquer um, que a maioria das pessoas querem-nos bem mas nunca melhor que elas, que as desilusões surgem daqueles que menos esperamos, e que tudo acontece no seu devido tempo.

Talvez por isso tenha sido dos anos mais difíceis, mas com menos lágrimas. Talvez o facto de aprendermos a aceitar que, tudo aquilo que vem, vai, facilite o processo que achávamos ser de perda, mas na verdade é de aprendizagem. Desta vez, não irei dizer que estou preparada para o próximo ano. Vou apenas agradecer, por todo o ensinamento.

Obrigada.